Casa das Gelosias

Uma interpretação do tradicional

O ponto de partida da intervenção foi uma parcela com uma área de 122m2 em estado de ruína, existindo apenas a fachada principal e paredes meeiras. A proposta de reconstrução desta moradia unifamiliar integra a fachada pré-existente e apropria-se do espaço deixado disponível.

A volumetria resultante relaciona-se com as edificações vizinhas procurando alinhamentos, ao mesmo tempo que propõe um novo alçado em relação com a Igreja de S. Vicente. Este novo alçado integra um sistema de “gelosias”, herança construtiva da arquitetura vernacular existente em Braga entre o séc. XVII e XVIII. Estas garantem a necessária privacidade atendendo à excessiva exposição sobre o adro da igreja, permitindo ver e não ser visto. Simultaneamente funcionam como sistema de sombreamento e de ventilação natural.

No que respeita o sistema construtivo utilizado, o mesmo reinterpreta o sistema construtivo tradicional sendo a estrutura constituída por paredes em alvenaria resistente e vigas de madeira deixadas aparentes, determinando fortemente a aparência formal do interior da casa.

Foi dado também especial relevância a estratégias construtivas que contribuíssem para o conforto térmico da casa, procurando assim minimizar a necessidade da utilização de sistemas mecânicos para aquecimento ou arrefecimento.

ano: 2015
tipo: Habitação unifamiliar
cliente: Particular
local: Braga
fase: Concluído
arquitectura: Marta Campos – Arquitectura
gestão de empreendimento: Norte Magnético
fotografia: José Campos, Architectural Photography